Sábado, 26 de Agosto de 2006

amigos_tirei o dia para rever...

Tiro o dia para rever, até que ponto tive uma vida perfeita,
Até que ponto a linha do conhecimento e da felicidade se estreita,
Furto um pedaço de papel meto nomes numa lista,
Lembro das batalhas que travei, cada amigo é uma conquista,
Uma peça que se encaixa, uma parte que se enrosca,
No deleito dos prazeres na companhia da caipirosca,
Sorrisos são uma essência do retrato que pinto de todos,
Desde que vos veja a rir, já concretizei os meus sonhos,
Pode chover acido do céu, ser corrosivo até ao osso,
Que estarei lá para regenerar os tecidos, criar o nosso colosso,
Este gigante é imparável no tempo, criatura de momentos,
Reflecte o quanto vos quero num espelho de sentimentos,
Amizade para mim sempre foi assim, até podem discordar,
Porque vocês não têm os meus amigos, e eu também não quero trocar,
Rodeado me sinto, indestrutível ao vosso lado,
Coleccionador de momentos sou, e acreditem que vos tenho guardado,
Vanas, sorriso contagiante, das melhores pessoas que conheci,
Se um dia me perguntarem se valeu a pena viver, lembrar-me-ei de ti,
Catarina, sai da bolha dama, sorri connosco tudo passará bem depressa,
Um furacão de força assim és, até que tua mente se dispersa,
Brito, uma surpresa a cada dia, mulher de historias infindáveis,
Menina de olhos brilhantes e sonhos grandes, mas saudáveis,
Joana, os teus sonhos têm de ser proclamados, corre por eles,
Mereces ter tudo o que queres, e estarei lá para te dar a mão se te perderes,
Rita, tanta coisa por dizer, tantas coisas sinto por ti, quase minha irmã,
Menina ingénua e sábia, incerta e tão certa, ás vezes és anjo outras o Satã,
Barros, de certa forma um dia num sitio distante e em sitio nenhum,
Vão-me dar a hipótese de ser outro alguém, e vou querer ser como tu,
Bruno, gostava de te ter conhecido, desde os tempos de escola,
És enorme amigo, mas cuidado com a Coca-Cola.
Azul, distante tantas vezes, mas sempre presente,
Para ti tenho aqui umas mortalhas, e um cházinho bem quente.
David, és o meu oposto, no que toca à mulher,
O meu desejo é acabar os meus dias a jogar contigo, numa relva qualquer,
Henrique, és a prova que não preciso de muito tempo para chamar alguém de amigo,
Deixa o pó poisar, secar, nasceram raiz bem forte, ficará tudo bem contigo.
Leo, no fim mas sem ser por acaso, és o irmão que escolhi para a minha vida,
Um dia velhotes, sentar-nos-emos num banco qualquer, a recordar mil coisas vividas,
Eu gosto destas coisinhas, toda a gente sabe como sou,
Pede mais uma rodada… o efeito desta já passou.

Um dia vamo-nos perder uns dos outros, estaremos longe eu sei, vamos sentir saudades, também o temo, mas por muito que a memória me traia tantas vezes, nesses trilhos da idade, no papel estará sempre o que sinto, e esta é a minha realidade!
Obrigado por existirem…
publicado por JF às 19:30
link do post | comentar | favorito

.visitas

.Outubro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. um fim...e um inicio...

. doce meu...

. asas para voar...

. eu volto...

. rodrigo leão...

. em ti...

. adormecer o meu dia...

. ontem, hoje e amanhã...

. música...

. nova melodia...

.arquivos

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

.pesquisar

 

.links

.mais sobre mim