Sábado, 6 de Janeiro de 2007

ainda dói?

Saudosos os abraços que trocamos em noites,
Como se a lua não girasse,
Nem fugisse do sol,
Que saibam ser eternos os momentos,
Os que guardamos,
Vou penitenciando-me por fim,
Por ter adormecido ao teu lado,
Perdi tempo sem te ver…
E só te sonhei,
Tantas vezes fui criando historias,
Entretanto não beijei,
Deixando escorrer a areia,
Vendo passar o tempo,
Solto ira ao pensamento, por saber que já passou,
Rápido de mais,
E hoje fico sem saber para onde vais,
Porque não te cerco com os braços,
Nem te oiço a respiração,
Juramos ser para sempre…
Mas quanto é para sempre?
Será muito tempo, ou por te olhar nos meus dias,
Só te vejo passar,
Caminhando ao meu lado,
Continuo preocupado,
Por só ver passar o tempo,
Paramos…
Olho-te nos olhos, perguntas “o que foi?”
Digo, belisca-me, quero ver se ainda dói,
Soltas um beijo,
E eu sei que ainda respiro por ti,
Sei que ainda me sonho em ti,
Sei que ainda dói…por não te ter aqui.

publicado por JF às 14:16
link | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quinta-feira, 4 de Janeiro de 2007

tirania...

Encostado à parede vou praguejando sem sentido,
Se eu ainda soubesse mentir, eu já devia ter mentido,
Mas de que me vale falar, não entendes o que digo,
A justiça está na arma que hoje trazes contigo,
A minha língua não entendes, os meus gestos não percebes,
Vou tentando acalmar-te para que nunca te enerves,
Situação de risco, culturalmente irrealista,
Hoje tu és americano, eu apenas um bombista,
Com as mãos no ar, na tentativa de me render,
Mas de que vale eu tentar, tu já estás pronto a me abater,
Dedo no gatilho, o suor escorre pela face,
As televisões do mundo inteiro vão esperando o desenlace,
Querem sangue na lente, mais um corpo no chão,
Uma audiência perfeita cravada com uma bala no alcatrão,
Irmão, não me condenes os pecados,
Quem és tu para me dizer, já todos tivemos um dia errados,
Fala-me de ti, por detrás dessa tirania,
Acreditas em quem te manda ou és adepto da hipocrisia,
Diz-me se concordas com o facto de mandares nas vidas,
As que tiras ou condenas, as que ficam esquecidas,
Cais de joelhos no chão, o arrependimento tomou conta de ti,
Nem sei bem o que disse, nem eu próprio percebi,
Deixas a arma ao alcance e eu agarro-a com as duas mãos,
Mas calma, não tenhas medo, não sou como os teus irmãos,
Que condenam, que massacram, que entrelaçam os pescoços,
O mundo é um desenho, eu ainda vou nos esboços,
Do cano cerrado, tiro munições verdadeiras,
Desato as bombas que trazia, eram meras brincadeiras,
De plástico, sem explosivos, eram apenas decoração,
Uma mera brincadeira que quase me levava ao chão,
Porque hoje em dia, todos têm medo de todos,
EUA artista principal, nós somos todos os outros,
Dente por dente olho por olho, numa cultura mumificada,
Acabamos todos cegos, com uma boca desdentada.
publicado por JF às 03:20
link | comentar | ver comentários (2) | favorito
Quarta-feira, 3 de Janeiro de 2007

mil e um...

Podíamos ter sido mil e um nesta noite,
Onde as cores das luzes nos fazem olhar o céu,
Praguejando por aí coisas que ninguém ia ouvir,
Estás a sentir?
Esta falta de às vezes sermos o que não somos?
Podíamos ter sido mil e um, entrelaçados em emoções,
Sugando o que a vida nos deixa beber, sem ter de sofrer por isso,
Sentado permaneço, pensando nisso,
Vendo como somos inseguros,
Não observamos os muros,
Que na nossa frente se avistam, se mostram,
Sentimos que a verdadeira obra está para lá dos mesmos,
Quem dera ainda sermos pequenos,
Mil e um seríamos a esta hora,
Até que a imaginação fosse embora,
E adormecesse-mos por fim,
Podíamos ser mil e um nesta noite mas…
Mais importante do que sermos cem, mil, mil e um,
É a segurança de continuar-mos a ser quatro,
Por muito que as jornadas sejam complicadas por vezes,
E vamo-nos prendendo em redes,
Sofrendo por antecipação, querendo o que não temos,
Não vivendo o que esperamos, porque não somos mais pequenos.
publicado por JF às 17:53
link | comentar | ver comentários (2) | favorito
Segunda-feira, 1 de Janeiro de 2007

labirintux...


Suspira um pouco,
Sente um pouco,
Grita um pouco,
No sentido que sufoco,
Se for por menos não te quero,
Se for mais não desespero,
Mas se não for eu morro, enfim…
Cansa-te um pouco,
Ama-me um pouco,
Chora-me um pouco,
Até os olhos terem selo de soco,
Se for menos eu não te sinto,
Se for mais eu vou adorar não te minto,
Mas se não for, lá se vai o labirinto,
Perde-te um pouco,
Agarra-me um pouco,
Grito um pouco,
Sem medo de ficar rouco,
Se for por menos eu irrito,
Se for mais então eu fico aflito,
Mas se não for…eu morro, no fim…
Sujeita-te um pouco,
Desespera um pouco,
Dá-me o teu corpo um pouco,
Até que o deixe bem louco,
Se for por menos desiludo,
Se for mais eu não me iludo,
Mas se não for….eu morro sem ti.





publicado por JF às 19:39
link | comentar | ver comentários (1) | favorito

.Outubro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. um fim...e um inicio...

. doce meu...

. asas para voar...

. eu volto...

. rodrigo leão...

. em ti...

. adormecer o meu dia...

. ontem, hoje e amanhã...

. música...

. nova melodia...

.arquivos

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

.pesquisar

 

.links

.mais sobre mim